domingo, 14 de dezembro de 2008

Olha Aí Freguesa!

Olha aí freguesa!
Tenho um produto para lhe oferecer!
É mercadoria de primeira, pode levar.
Em toda a feira
Melhor não irá encontrar.


Nem me dá atenção
E só quer saber
Dos produtos oferecidos de baciada.

Olha aí freguesa!
Faço para a senhorita uma promoção!
Boa oportunidade! É produto raro!


Passa reto por mim
E na barraca ao lado compra xepa
Mesmo pagando muito caro

Olha aí freguesa!
Tenho uma proposta para a senhorita.
Leva o produto e não paga nada.
Leva para experimentar.
A senhorita parece ser inteligente e ter bom gosto
Tenho certeza que irá apreciar

Mostra-se interessada, mas meio desconfiada.

Pode levar com confiança
E até mais minha freguesa!
A sua satisfação é também minha.
E tenho certeza de que para a minha humilde barraca
Sempre irá retornar.

Ela leva o meu produto prometendo degustar

Olá querida freguesa! Que alegria!
Não falei que a senhorita voltaria?

Me devolve a mercadoria, intacta e sem ser experimentada,
Com cara de empáfia e desprezo
E sem falar nada
Vai pela feira enchendo a sua sacola de porcariada.

Olha aí minha freguesa!
Parei de oferecer coisa boa.
Agora só ofereço produtos adulterados, falsificados e sem qualidade.
Corre freguesa, não vacila,
Pois é grande a demanda.
Corre, senão para a senhorita não sobra nada.


José Rosa (ZeRo S/A)

2 comentários:

Múcio L Góes disse...

ôpa! td bem? brigadao pela visita, e tbm por prestigiar o meu trabalho, Jose!


é, o país sofre desse mau gosto coletivo, onde porcarias estao sempre em alta.

[]´s

Pavitra disse...


é a ironia
da cultura do consumismo...

mandou bem! rsrs