quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Pelada

Quando a pelota rola
Nada mais me incomoda.
Nem aquela paixão mal resolvida,
Nem minhas dívidas pendentes,
Nem minhas frustrações profissionais,
Nem as mazelas sociais.

O mundo agora é retangular.
E com certeza ele não gira, mas sim a gorducha.
De pé em pé,
De alma a alma.

Agora sou gênio, sou artista.
Recebo aplausos.
Caio, mas sempre levanto,
E a dor é combustível.
É troféu.
E há sempre um último fôlego.
E a exaustão física, dever cumprido significa.

Ah! E quando a esfera
Pelos meus méritos adentra a meta
É GOOOOOLLLLLLLL!!!!!!!
É gozo.
E como explicar esse prazer imensurável?
Impossível.
Só entende quem namora... A bola.

José Rosa (ZeRo S/A)

5 comentários:

Kel disse...

E depois dizem que os homens gostam das magrinhas. Quando é que uma modelo conseguiu monopolizar, de uma só vez, a atençao de 22 barbados??? Tô pra ver...
Beijos!

Vivian disse...

José Antonio, Boa Tarde!
Amei!
beijos

Sandra Regina de Souza disse...

Gracioso! bj

nando disse...

Isso mesmo...só sabe quem namora ou quem já sofreu por amor rss
Abraço Seu Zé.

Daiany Cristina disse...

Esse poema é literalmente minha cara, mas ai... a bola que namoro é masculina falow!!!!!kkkkkkkkkkk