quarta-feira, 28 de abril de 2010

Morte Abjeta (Junho/1991)

O ocaso
Traz a dor.
Sofrer por amor
Em regiões inóspitas.
Situações insólitas
Conduzem a mente
Ao delírio.
Findar a vida,
Cravar no peito
Objeto abjeto.

José Rosa (ZheRo S/A)

4 comentários:

J.F. de Souza disse...

o fundo do poço
---------------
a dor no peito
era tanta
que decidi
cavocar
o coração

até encontrar
você

J.F. de Souza disse...

que tal esse?

Elaine Lemos disse...

o acaso, o descaso, o ocaso.

Belo poema!

Ozana disse...

Ola adoro seus poemas
beijinhos