domingo, 27 de julho de 2008

Corda Bamba

Minha vergonha
É enxergar exageradamente minhas virtudes.
É de merda que sujo
A sola do meu sapato após um passo em falso.
É de concreto o muro em que arrebento
O meu nariz após uma distração.
É triste,
Deitar na minha cama quando não tenho sono.
Minha desgraça
Será enxergar exageradamente meus defeitos

José Rosa (ZeRo S/A)

3 comentários:

Lidiane disse...

Ô Zé, assim não há saída. Que coisa!
Enxergando a virtude ou a mazela, o final é quase o mesmo.

Um beijo, viu?

Ramon Alcântara disse...

Profético! Duro! Seco! Rápido! Ríspido! Re-sig-na-do! Adorei o andar do personagem, caminharia ao seu lado e lhe diria: um passo atrás companheiro e veja-se andando, deixe-se ir e vamos voltar e repensar tal análise.


abzzzz

Iúna disse...

admirável mundo velho, cruel e bom se alternando, misturando, confundindo até