terça-feira, 30 de setembro de 2008

Imposição

Minha Querida,
Não quero que deixe de sair com suas amigas e
Não é meu desejo que largue o seu emprego,
Abandone nenhum dos seus sonhos ou
Desista de seus planos.
Nunca pensei que tivesse o direito de lhe proibir a minissaia.
Olha, pode acreditar
Sua essência, nem por sonho quis mudar.
Não lhe peço que mude nada
Não lhe peço que largue nada
Não lhe peço que faça nada
Que não seja realmente importante.
Só uma coisa faço questão de lhe impor
Por nenhuma bobagem, nenhuma frescura ou vaidade
Desista de nós, desista de mim.

José Rosa (ZeRo S/A)

4 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom. Direto e objetivo sem deixar de ser sensível. Vim retribuir a sua visita ao meu blog..Amor é incondicional,mesmo que a gente não queira..abraços do Touché..Vou ver se agora eu consigo postar com mais frequencia..
Touché
http://poetasdeguarulhoseoutrosversos.zip.net

Ramon Alcântara disse...

Nossa! Quando escuto a expressão "um tijolo na cara a queima roupa", acho que é dessa poesia que estão se referindo.

Muito bom!


abzzzz

CAL disse...

Bacana... Bastante liberal e apelativo... Até conquista!!!
HEHEHE!!!

Denise disse...

hauahauahauahauaha

o melhor de TODOS !
comédia ! rs